Este é o quarto post da série “Como vou criar uma startup”. Para entender e aproveitar melhor, é interessante ler os posts na sequência:

Capítulo 4 - Como transformar uma ideia em um produto

No capítulo anterior, criei um método para ter ideias. A aplicação deste método me levou a ter uma ideia para criação de um novo produto. Precisava agora transformá-la em realidade.

Meu primeiro passo foi estudar mais sobre o assunto. Comecei comprando o livro “Founders at Work”, de Jessica Livingston. Este livro é uma coletânea de entrevistas com fundadores de empresas de tecnologia. Cada entrevistado conta sua história e suas experiências como empreendedor. Lendo o livro, um padrão me saltou logo aos olhos: quase todos os entrevistados começaram tentando fazer alguma coisa que deu errado antes de encontrarem a coisa que deu certo.

apple 1 Meditando sobre essas informações, cheguei a conclusão de que a chance de falhar na primeira vez é imensa. Então resolvi mudar o foco do meu novo empreendimento. Vou fazer uma coisa o mais simples possível, falhar logo e APRENDER com essa experiência. Meu objetivo no momento é criar um novo serviço e maximizar o aprendizado para que na próxima tentativa tenha mais chance de dar certo.

Nesse momento, resolvi que antes de me lançar a nova empreitada ia estudar mais sobre o assunto. Comecei a consumir todas as informações que podia sobre startups e novos negócios na internet.

Aqui estão algumas lições que aprendi:

1 - Ser um empreendedor é mais difícil do que parece. A rotina e as emoções de um empreendedor não são as mesmas de um empregado. Tem que descobrir se realmente tem afinidade. Saiba mais sobre as características de um empreendedor aqui:

2 - Está começando? Seja seu próprio investidor. Não procure dinheiro antes de se certificar que você é a pessoa certa para empreender. Veja esses artigos:

3 - Não despreze uma ideia que em princípio pode parecer estúpida sem fazer uma análise mais profunda. O cavalo de tróia é um belo exemplo de uma ideia que inicialmente parecia ser completamente imbecil, mas que depois de uma análise mais profunda e uma execução eficiente deu resultado. Um exemplo mais próximo da minha (nossa) realidade é esse:

4 - Foco no negócio. Ter um bom negócio nem sempre implica em ter uma solução técnica sofisticada. Muitas vezes algumas poucas linhas de código dão suporte suficiente para um grande negócio. Como engenheiro, tenho que vencer a tentação de colocar o foco na engenharia. Veja um bom exemplo disso:

5 - Como eu decidi que minha primeira ideia ia ser apenas uma cobaia, resolvi que não ia investir dinheiro nela. Como conseguir que os usuários conheçam seu serviço sem gastar dinheiro? Algumas dicas:

6 - SIMPLICIDADE. Não é uma lição nova, mas aplicada a novos negócios, torna-se ainda mais importante. Tem que ser simples de fazer, simples de usar, simples de entender… Cuidado porque é muito mais fácil resolver um problema com uma solução complexa do que com uma solução simples. Um exemplo:

Why Dropbox Succeeded and Syncplicity Didn’t

7 - Para ser um sucesso de público, seu serviço deve trazer utilidade ou alegria. Os consumidores são motivados por esses dois fatores. Tudo o que você fizer deve ser analisado por esses dois prismas.

8 - Se não souber por onde começar, faça um clone do threewords.me

9 - Quando começar? AGORA!!!!!!!!!

macbook Apesar de encontrar muita coisa interessante, ainda estava sentido que não estava preparado, faltava alguma coisa. Foi aí que eu encontrei material sobre Customer Development (Steve Blank) e The Lean Startup (Eric Ries). PRONTO! Agora o quebra-cabeça estava montado. Estava pronto para começar, mas isso já é assunto para o próximo capítulo.

continua em: Capítulo 5 - Customer Development e Lean Startup

Se você leu até aqui, provavelmente vai gostar de me seguir no twitter: @luizborba