Este é o segundo post da série “Como vou criar uma startup”. Para entender e aproveitar melhor, é interessante ler os posts na sequência:

Capítulo 2 - Porque precisamos empreender

No capítulo anterior eu contei a história de como o fracasso com a minha primeira empresa matou a vontade que tinha dentro de mim de ser um empreendedor. E o que aconteceu depois?

Desde que saí da NetPE construí uma carreira na área de desenvolvimento de software trabalhando em várias tipos de empresas diferentes: softhouses tradicionais, empresas de produtos, pontocom, fábricas de software e institutos de inovação. Todas essas variadas experiências além da minha própria sede por conhecimento e evolução me fizeram um profissional bastante respeitado.

O maior orgulho que eu tenho é de ter conseguido progredir na carreira sem precisar sair da área técnica. Adoro o que faço e se tivesse que me transformar em gerente de projetos para atingir um patamar salarial que eu desejava ia ser muito frustante. Mas agora tudo acabou…

Desde o fim do ano passado eu comecei a sentir que cheguei no fim da linha. Daqui pra frente seria apenas mais do mesmo. Mais consultorias, mais projetos, mais produtos, mas nada de novos desafios. Como aceitar limites? Como reconhecer que não há mais nada de novo a fazer? E pensando nessas coisas, de repente deu um click. Eu estava errado.

Depois de muitos anos acordei o espírito empreendedor que tinha dentro de mim. Como diz o ditado, vingança é um prato que se come frio e a partir daquele momento comecei a me preparar para a revanche. Estava aí o desafio que eu estava procurando.

sideshow bob

Depois de todo esse histórico, acho que dá para entender poque estou abraçando este desafio, mas quero ir além. Quero dizer que VOCÊ também precisa empreender. O Brasil já tem funcionários públicos demais e o que precisamos para crescer ainda mais como nação são mais (e melhores) empresas inovadoras.

Se sua ambição for financeira, ser um empreendedor talvez seja a única alternativa para ficar rico. Ter um emprego funciona de maneira semelhante a uma empresa que tem o faturamento atrelado ao custo, ou seja, quando fatura mais, o custo sobe na mesma proporção. O seu custo são as horas trabalhadas a única forma de ganhar mais é trabalhando mais. Com um emprego você não consegue rentabilizar o valor gerado pelo seu trabalho.

Garanto que sendo um empreendedor não vai faltar emoção e aventura na sua vida. Você nunca vai ficar entediado. Não existe segurança mas o importante é que também não existe limites para o sucesso. Quem sabe não vai ser você (ou eu) o criador do próximo Google ou Facebook? Parece impossível? Acredite, NÃO É!

Outra coisa boa é que não falta dinheiro para investir em empresas inovadores. Quase todo dia me deparo com notícias sobre fundos procurando bons negócios para investir, especialmente em nossa área. Infelizmente faltam boas ideias. Mas, como ter boas ideias? De onde vem as ideias?

continua em: Capítulo 3 - De onde vem as ideias?

Para mais informações sobre esses assuntos, siga-me no twitter: @luizborba