Este é o primeiro post da série “Como vou criar uma startup”. Para entender e aproveitar melhor, é interessante ler os posts na sequência:

Introdução

Começo hoje a publicar uma série de posts sobre empreendedorismo na internet e o que estou fazendo para entrar neste mundo.  Espero que estes posts motivem uma discussão construtiva, que ajude todas as pessoas que estão pensando em empreender.

Capítulo 1 - A morte de um empreendedor

Eu ainda estava na universidade quando consegui o meu primeiro emprego como desenvolvedor. Foi em 1991 e eu gostava muito do meu trabalho, mas o que eu queria mesmo era ter minha própria empresa. Obviamente eu nem sabia o que significava ter uma empresa, mas o que me movia nesta direção era a vontade de criar algo importante, de mudar o mundo. Em 1994 eu saí do meu emprego e junto com alguns amigos fundei a minha primeira empresa, a NetPE BBS.

Para quem não sabe, BBS (Bulletin Board System) é um sistema onde os usuários podem se conectar utilizando um modem e ter acesso a vários tipos de serviço como download, upload, forums, chat, jogos, etc. Talvez possa ser visto como uma internet do tempo das cavernas.

bbs menu

O início foi promissor, como quase não tínhamos concorrência, a empresa cresceu muito rapidamente. Chegamos a ser a maior BBS do Norte/Nordeste, com mais de 40 linhas telefônicas (cada linha representava 1 usuário conectado). Imagine só, 40 computadores conectados em um servidor… parece ridículo hoje em dia, mas acredite, naquela época era algo grandioso. Empolgado com o sucesso, cada vez mais eu acreditava de que aquele seria o negócio da minha vida, entretanto, um belo dia tudo mudou. A internet chegou.

Em 95 a internet comercial chegou no Brasil, até então apenas as universidades tinham acesso. De cara várias grandes empresas entraram neste novo negócio. Em Recife a Elógica foi a maior delas. Nessa época a NetPE ia muito bem das pernas, mas o investimento para se tornar um provedor era alto e nós não tivemos condições. De quebra nós ainda recusamos uma proposta de compra pela Elógica (a gente se achava…).

netpe logo

Como era de se esperar, nosso negócio mixou. Levou um bocado de tempo para nos tornarmos um provedor internet e quando finalmente conseguimos, já tínhamos perdido metade de nossos clientes. Mesmo assim, viramos a NetPE Internet.

Com a NetPE Internet voltamos a crescer, mas as margens eram bem mais apertadas do que na época do BBS. Como BBS éramos gigantes, mas como provedor internet éramos nanicos. Para compensar, fazíamos vários serviços na web: jogos, mecanismo de busca, catálogo de médicos, e tantas outras coisas que nem me lembro. Em 96 submetemos ao Softex, em parceria com a Ecossistemas (atual Facilit), um projeto de desenvolvimento de jogos para internet. O projeto foi aprovado.

coliseum logo A idéia do projeto EasyGames (que depois virou Coliseum) era desenvolver jogos simples mas que pudesse ser jogado pela internet. O primeiro desses jogos foi o NetPong (atualização do clássico Pong). Para resumir, vendemos muito pouco e quando dinheiro acabou fomos obrigados a parar.

A situação do provedor não melhorou, mal se pagava e quase não crescia. Em 98 eu desisti. A NetPE continuava funcionando, mas eu decidi não trabalhar mais lá. Fui procurar emprego. Continuei como sócio ainda por um bom tempo até finalmente sair da sociedade. O resultado me deixou muito frustrado. Morreu um empreededor. Aquilo não era para mim. Minha vontade era ser um empregado assalariado… e foi assim até 2011…

continua em: Capítulo 2 - Porque precisamos empreender

Para mais informações sobre esses assuntos, siga-me no twitter: @luizborba