java logo O projeto Green foi iniciado em 1991 pela Sun com a intenção de criar uma plataforma para desenvolver sistemas embarcados, em especial para set-top boxes da indústria de tv a cabo. Nesta época a internet era menor que uma ameba se compararmos com hoje. A web já existia (foi criada em 91), mas ainda não era notada. Apenas em 94, quando o browser Mosaic foi criado é que a world wide web começou a ser popularizada. O pessoal da Sun não esteve alheio a esse movimento e ainda em 94 redirecionou o projeto para web. Finalmente em 1995 a plataforma Java (rebatizada) foi lançada, já contando com o suporte do principal browser da época, o Netscape.

O Java trouxe uma quantidade imensa de inovações para a indústria de desenvolvimento de software na época: máquina virtual, multi-plataforma (“write once, run everywhere”), garbage collector e em especial a integração com a web através dos applets. Foi como juntar a fome com a vontade de comer. A web começando a bombar no mundo todo e uma plataforma de desenvolvimento inovadora e integrada com essa nova tecnologia.

Identificado como inovação o Java aglutinou o interesse de inúmeros desenvolvedores open source, que com suas criações e o poder de difusão da web, alavancaram em tempo recorde o Java para ser a principal plataforma de desenvolvimento de software do planeta. As grandes empresas não ficaram de fora e com mais alguns investimentos tornaram Java também a principal solução para o mundo enterprise. Curiosamente os applets que foram a ponta de lança para a divulgação da plataforma acabou não tendo sucesso.

A característica multi-plataforma do Java prejudicava diretamente a estratégia da Microsoft, que dependia de máquinas Intel com o sistema operacional Windows. A Microsoft não deixou barato e em 2002 lançou o .NET Framework, que era conceitualmente uma cópia do Java, mas que só rodava no Windows. A partir deste momento, as duas plataformas começaram a disputar uma corrida de inovações para conquistar mais mercado. A cada nova versão, cada plataforma trazia inovações que superavam a outra. Neste processo, a Microsoft acabou por conquistar uma boa fatia do mercado, porém sem desbancar a liderança do Java.

Essa tendência se manteve ao longo dos anos, mas desde 2006 a Sun não lançou mais nenhuma nova versão do Java. Como Java parou no tempo e a a Microsoft com sua política fechada de preservação do Windows não atrai os desenvolvedores open source, a inovação começa a aparecer em outras plataformas como o Ruby (on Rails), Python, Scala, Groovy, Clojure, Erlang, etc. Todas essas novidades, são absorvidas rapidamente pelas startups, mas não pelas empresas tradicionais, e portanto o cenário de liderança de Java nesse setor ainda não mudou.

No início do ano passado a Oracle concluiu a aquisição da Sun, e no final de setembro divulgou o roadmap do desenvolvimento do Java dos próximos 2 anos. O resultado foi esperado, o Java vai levar 2 anos para incorporar as novidades apresentadas por essas linguagens. Para quem procura inovação, é um balde de água fria, porém é uma estratégia conservadora e segura para as empresas tradicionais (que são típicos clientes Oracle).

mousepad cobol O COBOL durante muitos anos também foi a principal plataforma para desenvolvimento de Enterprise software, mas não conseguiu acompanhar a evolução tecnológica. Hoje COBOL existe apenas no legado. Mas o que aconteceu com COBOL? O que fez ele perder a liderança?

A partir de meados da década de 70, começam a surgir e se popularizar os computadores pessoais. Durante a década de 80 esse fenômeno começa a atingir as empresas, em especial as que não tinham condições de ter um mainframe. COBOL é uma solução forjada para o mainframe, e os microcomputadores demandavam plataformas de desenvolvimento novas, mais adaptadas as suas características. Neste cenário, soluções como o Clipper eram cada vez mais usadas especialmente para pequenas empresas, que não tinham dinheiro para comprar um mainframe. Nenhuma dessas plataformas (como Clipper, Delphi, VB, SQLWindows, etc) conseguiram substituir em larga escala o COBOL nas grandes empresas. Essa substituição maciça em só acontece com a adoção do Java, combinada com o aparecimento do Linux e a evolução do Windows.

O cenário atual parece criar um momento semelhante ao que foi vivido pela revolução da microinformática, mas com algumas diferenças significativas.

A revolução atual é o cloud computing. Java, diferentemente do COBOL na época dos micros, ainda é adequada para soluções cloud, além disso, falta surgir uma plataforma tão disruptiva e confiável quanto foi o Java em seu tempo. A estratégia da Oracle compromete a liderança de Java como uma plataforma inovadora, mas não sua posição para soluções Enterprise. COBOL foi criada no final da década de 50 e levou uns 40 anos para ser desbancada. O domínio de Java não deve durar tanto, mas ainda será uma aposta confiável para sua empresa por vários anos. De quebra, ainda não sabemos quem será seu sucessor. Java é sim o novo COBOL, mas essa é a pergunta errada. A pergunta correta é quem será o novo Java?

Nota do autor: Nunca programei em COBOL, não sou tão velho assim.