graos

Ouvi uma coisa no início dessa semana que não saiu da minha cabeça: “codificação é commodity”. E aí? Será que é mesmo?

Quando usamos o termo commodity para serviços deve ser necessário que as empresas tenham uma certa uniformidade em relação a prestação deste serviço. Por exemplo, enviando uma especificação para duas “fábricas” de software espera-se que ambas entreguem o mesmo produto (com poucas diferenças) e mais ou menos no mesmo prazo. Em um cenário assim, a escolha do fornecedor vai depender primordialmente do preço. Vamos escolher a “fábrica” que cobrar mais barato. Para fortalecer ainda mais este conceito, temos certificações como o MPS.BR e CMMI que servem para classificar os fornecedores. Imagina-se então que duas empresas que são CMMI nível 5 devem produzir mais ou menos a mesma coisa no mesmo prazo e portanto, posso escolher a que me cobrar mais barato. Você realmente acredita nisso?

Diferentemente de como muita gente pensa, codificação não é uma atividade mecânica. Não existe nenhuma máquina em que você coloque as especificações em um buraco e saia o software pronto do outro lado. Arquiteturas, especificações, designs são modelos meramente teóricos. Nenhum arquiteto ou projetista pode garantir que aqueles esquemas irão funcionar. Para saber se vai funcionar o sistema tem estar codificado e rodando. Na prática esses modelos teóricos ajudam a estruturar o problema e definir as soluções em um nível mais abstrato, mas durante a implementação é que os detalhes emergem e as decisões finais são tomadas. Não sendo uma atividade mecânica que dizer então que não pode se considerar uma commodity? Acho que não, outros fatores devem ser analisados como por exemplo o desempenho dessa “indústria”.

E como está o desempenho dessa “indústria”? Basta dar uma olhada no resultado do CHAOS Report (relatório anual do desempenho dos projetos de desenvolvimento de software feito pelo Standish Group). Em 2009 apenas 32% dos projetos de software foram considerados plenamente bem sucedidos. Como uma “indústria” com desempenho tão ridículo pode oferecer um serviço considerado commodity?

Cuidado, se você vai contratar uma empresa de desenvolvimento de software não olhe apenas para o preço. Fazer software é muito difícil e muito pouca gente sabe. Procure uma empresa que tenha um portfólio de sucessos. Não acredite apenas nessa bobagem de certificações, isso não vale nada. Tratar desenvolvimento de software como commodity só vai trazer dor de cabeça e prejuízo.